Um blog sobre planejamento,
gestão e otimização de cursos
e treinamentos online.

Fique por dentro de atualizações e novidades e potencialize seus resultados.

Acompanhe e faça parte!

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.

Como funciona a sala de aula invertida?

A sala de aula invertida, também conhecida como flipped classroom, é considerada uma grande inovação no processo de aprendizagem. Como o próprio nome sugere, é o método de ensino através do qual a lógica da organização de uma sala de aula é de fato invertida por completo. O ensino online vem mudando cada vez mais […]

Como funciona a sala de aula invertida?

A sala de aula invertida, também conhecida como flipped classroom, é considerada uma grande inovação no processo de aprendizagem. Como o próprio nome sugere, é o método de ensino através do qual a lógica da organização de uma sala de aula é de fato invertida por completo.

O ensino online vem mudando cada vez mais a forma como as pessoas se relacionam entre si em um ambiente de aprendizagem trazendo diversos benefícios para o aluno de cursos online.

Por isso, a cada dia surgem novas formas mais eficientes de se trabalhar o processo de ensino online. Formas de proporcionar ambientes, processos e estruturas mais adequadas para que o aluno percorra uma trilha de aprendizagem de forma engajada e motivadora. O conceito de sala de aula invertida reflete muito bem este aspecto.

Neste artigo você vai encontrar:

Como funciona a sala de aula invertida?
Quais as vantagens da sala de aula invertida?
Qual o impacto da sala de aula invertida na educação
Como implementar a sala de aula invertida?

Como funciona a sala de aula invertida?

A ideia é que o aluno absorva o conteúdo através do meio virtual e ao chegar na sala presencial ele já esteja ciente do assunto a ser desenvolvido. Dessa forma, a sala de aula presencial se torna o local de interação professor-aluno, para sanar  dúvidas e construir atividades em grupo, por exemplo.

Neste caso, os alunos que antes realizavam todo o processo de consumo de conteúdos dentro da sala de aula, agora começam a fazê-lo dentro de suas casas ou em qualquer outro lugar que tenha acesso à Internet por intermédio do ensino online. E só posteriormente executam esse conhecimento na sala de aula.

Para justificar o nome sala de aula invertida, além de os alunos consumirem conteúdo através do ensino online, os mesmos utilizam a sala de aula física para fazer exercícios, provas e trabalhos em grupo. É como se a flipped classroom fosse o encontro perfeito entre o EAD e o presencial.

A aprendizagem é, e deve ser, resultante de um processo interativo. O EAD traz o conceito de interatividade à tona cada vez mais de forma eficiente. A sala de aula invertida, por sua vez, proporciona essa interatividade. Visto que se vale de todos os recursos, funcionalidades e benefícios do ensino online e da aprendizagem móvel. Há ainda esse incentiva tanto na modalidade presencial quanto virtual.

Quais as vantagens da sala de aula invertida?

Alunos ativos

Por muitos séculos nos apropriamos de um sistema educacional tradicional, que até então foi o nosso único. Tudo que era visto de forma linear, agora passa a ser compreendido de maneira virtual, interativa e dinâmica.

A sacada desse processo de aprendizagem é colocar o aluno como protagonista em um processo de aprendizagem. Nesse processo ele tem toda a autonomia necessária para adquirir novos conhecimentos e habilidades quando lhe for mais conveniente. Graças ao uso da tecnologia, é o próprio aluno que decide quando, como e onde eles irão aprender.

Aproveitamento do tempo

Como na sala de aula invertida o tempo de aula presencial é mais curto que o tradicional, deve ser melhor aproveitado. É usado para coleta de dados e informações relevantes ao curso, bem como para colaboração e aplicação de conceitos.

Com a sala de aula invertida, o tempo de aula é otimizado, já que os alunos possuem conhecimento prévio da lição por meio do material fornecido com antecedência pelo professor. Com isso, a aula pode ser dedicada a aprofundar o tema e a desenvolver os assuntos mais importantes.

Na sala de aula invertida o tempo em classe é utilizado para aprofundar temas, criar oportunidades de aprendizagem mais enriquecedoras e maximizar as interações face a face. Tudo com o objetivo de garantir a compreensão e a síntese do conteúdo trabalhado. Assim, é aliado o tempo offline e a experiência digital do aluno.

Mais materiais

Os alunos podem fazer o uso de videoaulas, games, slides, ebooks, aplicativos ou qualquer outro material complementar que possa potencializar o processo de aprendizagem de forma dinâmica e inovadora, sempre com a supervisão de um tutor para ajudar em dúvidas ou qualquer outra demanda que possa ocorrer.

Outro ponto é que os alunos que participam de uma sala de aula invertida possuem fácil acesso à qualquer tópico dentro de um curso online no momento que for demandado.

Os alunos também poderão criar o seu próprio material de estudo usando as ferramentas de ensino online e compartilhá-lo com o grupo, colocando em prática, assim, a produção colaborativa – parte fundamental da sala de aula invertida.

Com mais opções de materiais e maior acesso do aluno, o tutor tem mais oportunidades de enriquecer os momentos de produção colaborativa.

Aprendizado no ritmo do aluno

Cada aluno, sem dúvidas, possui um processo de aprendizagem diferente. Cada um deles possui um ritmo diferente para compreender determinados assuntos. Deste modo, aqui é possível que ele participe de grupos colaborativos online que mais atendam suas necessidades, além de caminhar à maneira que mais se adéqua a ele.

Além disso, com a tecnologia o professor tem maior percepção das dificuldades do aluno e pode usar o momento da aula presencial para ajudá-lo. Assim, é possível até aliar a flipped classroom à aprendizagem adaptativa.

Melhor desempenho

A melhora no desempenho estudantil é resultado dessa soma de vantagens. Ao controlar seu momento de estudo, ter mais materiais, ter seu ritmo respeitado e interagir com os colegas, os alunos podem render mais, aprender mais. E, com isso, melhorar seus desempenhos em um processo de aprendizagem.

Por isso, a flipped classroom impacta positivamente no cenário educacional e pode revolucionar a educação do futuro.

Qual o impacto da sala de aula invertida na educação?

As tecnologias de hoje estão redefinindo as aulas de amanhã. A educação a distância age ajudando nessa transformação.  Pois países e organizações estão cada vez mais se aproximando desse modelo de ensino.

Na medida em que mais alunos têm acesso a computadores e dispositivos móveis conectados à internet, mais oportunidades educativas e interativas se abrem para professores e alunos.

A modalidade representa uma forte influência na geração de conhecimento no país e no mundo, com perspectivas interessantes e positivas.

Desta maneira, espera-se uma maior democratização do ensino a distância, bem como uma maior interação entre as diversas culturas quanto aos conhecimentos gerados.

Fóruns, chats, museus e laboratórios virtuais favorecem as práticas de sala de aula invertida e ampliam o acesso à educação superior de qualidade por um custo muito baixo ou mesmo nulo.

Também na educação superior o modelo de sala de aula invertida começa a ser muito popular. Devido à forma como propõe uma reorganização da instrução aluno a aluno, bem como gerencia de forma mais eficiente o tempo em sala de aula.

Mudar o que está sendo feito há tantas décadas exigirá uma mudança de postura não só de professores, mas também dos alunos.

Os próximos anos devem ser marcados por um crescimento do compartilhamento de conteúdos, especificamente em relação ao EAD.

Como implementar a sala de aula invertida?

Agora que já vimos as diversas vantagens encontradas na sala de aula invertida, que tal umas dicas para implementar este método educacional?

1. Não se prenda a regras

Não existe uma fórmula para flippar aulas. Portanto, cabe ao professor desenvolver o método da melhor forma possível para que o conteúdo renda. Você pode inverter todas as aulas, intercalá-las com aulas normais ou “flippar” apenas uma no semestre. Sinta-se livre para experimentar.

2. Não se acomode

Muita gente pensa que adotar o método de sala de aula invertida significa menos trabalho para o professor. Produzir o conteúdo para os alunos estudarem em casa sozinhos exige muito mais empenho do educador. Os materiais  precisam ser muito mais claros, uma vez que os estudantes não terão a quem recorrer imediatamente para tirar dúvidas.

Na sala de aula invertida professores qualificados são mais importantes do que nunca. São eles que devem definir o conteúdo, as instruções e traçar as estratégias de interação face a face. Durante a aula, devem observar e dar feedback, além de avaliar de forma contínua o trabalho do aluno.

Inverter uma sala de aula é muito mais do que a  simples distribuição de conteúdo com antecedência. Trata-se de uma abordagem abrangente que combina educação e novas tecnologias, priorizando princípios como proatividade, colaboração e aprendizagem contínua.

3. Seja breve

Assim como se distraem em sala de aula, os alunos também não aguentam ficar muito tempo seguido assistindo às aulas online. Por isso, prepare vídeos curtos para passar os conteúdos. Pesquisas apontam que filmes com 5 a 8 minutos de duração são ideais.

Além disso, é importante fazer uma introdução e uma conclusão no vídeo. A introdução para recapitular os principais tópicos que foram abordados nas últimas aulas. E a conclusão para ajudar os alunos a fixar os conceitos trabalhados.

4. Valorize o encontro presencial

Na metodologia de sala de aula invertida, ainda mais importante que produzir bom conteúdo para o aluno acessar em casa, é pensar em atividades que aproveitem cada segundo do encontro dos alunos com o professor em classe. Promova exercícios que estimulem a interação da turma e, também, que fortaleçam a relação dos estudantes com você, educador.

5. Tenha prudência

Toda novidade causa estranhamento. Portanto, ao propor a metodologia de sala de aula invertida a pais, alunos e direção, vá com calma. Prepare o “terreno”, argumente muito bem a respeito dos benefícios do novo método de ensino e trace um planejamento para ir introduzindo, aos poucos, o novo conceito na turma. Não espere adesão integral imediata, nem se desanime por isso.

6. Simplifique o método

Na hora de preparar os conteúdos que os alunos acessarão em casa, apenas, não complique. Opte por aquelas tecnologias convencionais, que as pessoas já estão acostumadas a usar. Assim, as chances de haver um problema são baixíssimas. Nunca escolha um formato de vídeo que exija que os alunos instalem no computador um programa para isso. Pois esses “empecilhos” podem desanimar o aluno.

7. Proponha a interação

Envolva o aluno durante às videoaulas. Converse com ele, peça para anotar algo ou faça uma pergunta. Se gravados de forma impessoal, os vídeos podem passar a sensação de passividade aos estudantes, desmotivando-os.

Incentivar a interação entre alunos também é importante. Assim, o aluno pode interagir com colegas e discutir de forma presencial os principais conceitos e ideias aprendidos durante todo esse processo. Pode também colocá-los em prática a partir de atividades diversas, estimulando também o trabalho em equipe.

É possível ainda que os alunos de forma ativa trabalhem problemas em comum e se envolvam na aprendizagem de forma colaborativa.

8. Tenha paciência

O conceito de sala de aula invertida é uma grande inovação educacional e, por isso, exige paciência de todas as pessoas envolvidas no processo. Todos ainda estão aprendendo a melhor forma de trabalhar com essa nova metodologia. Portanto, permita-se arriscar, errar, consertar, repensar, etc.

9. Mantenha a mente aberta

Você precisa de um plano para começar a implantar o método de sala de aula invertida na turma. No entanto, não se feche para as inúmeras sugestões e possibilidades que vão aparecer durante essa nova caminhada educacional. Aceite críticas e ideias de todas as pessoas envolvidas no processo para que, juntos, possam chegar ao melhor resultado possível.

Conclusão

A flipped classroom tem um grande potencial para revolucionar o futuro da educação. Pois é ela o elo entre o digital e o presencial. Aliando as vantagens de cada método, torna o processo de aprendizagem completo e eficaz.

Portanto, o método da sala de aula invertida é um novo conceito que parece ter vindo para ficar e é cada vez mais usado por professores mundo afora. Que tal experimentar em sua aula?


Espero que este conteúdo seja útil para você. Se ficar alguma dúvida ou sugestão sobre a sala de aula invertida deixe um comentário para nós ou entre em contato, combinado?

Até a próxima!

Como uma análise comportamental pode auxiliar na gestão de RH
A importância de um profissional de pedagogia empresarial

Comentários (47)


  1. Paulo
    12/12/2016 às 09:43

    Muito bom, gostei muito do seu artigo. Parabéns continue assim. Felicidades.

  2. Rafaela Espíndola
    12/12/2016 às 09:56

    Obrigada pela participação, Paulo! Ficamos felizes em saber. Continue nos acompanhando 🙂 Até a próxima!

  3. Rogerio Eijo
    23/12/2016 às 16:27

    Rafaela, td bem!
    Sou adepto e inconscientemente, isto é, sem ter conhecimento do seu artigo, tentei aplicar esta pedagogia de “sala de aula invertida” , mas sem muito sucesso nas minhas turmas de Matemática.
    Após ler este artigo, como sou Taurino, tenho certeza que chegarei perto em 2017.
    Poderia indicar alguns relatos de sucesso/casos, ou leituras da nova modalidade de ensino utilizando os dispositivos tecnológicos dessa nova geração de alunos?
    abç Rogerio

    • 26/12/2016 às 13:18

      Olá Rogerio, tudo bem? Você me passaria o seu email para que eu possa lhe auxiliar melhor? Obrigada!

      • Rogério Gomes Costa
        28/07/2017 às 13:41

        ola podes me ajudar nessa metodologia da sala de aula invertida

      • SIMONE MARIA FERREIRA DOS SANTOS
        03/03/2018 às 11:27

        Rafaela, bom dia! Também sou professora de Matemática e taurina…rsrs. Estou fazendo mestrado e minha pesquisa é sobre a SAI.Vc poderia, também, enviar para o meu e-mail esses relatos que deram certo?
        Simoninha.matematica@gmail
        GRATA!😘

        • SIMONE MARIA FERREIRA DOS SANTOS
          03/03/2018 às 11:37

          Retifico o meu e-mail simoninha.matematica@gmail.com
          Desculpa…o primeiro “s” saiu maiúsculo.

        • Rafaela Espíndola
          05/03/2018 às 09:40

          Olá Simone, tudo bem? Nós não temos no momento esses casos para disponibilizar, mas se pudermos ajudar de outra forma, nos avise! Um abraço 🙂

      • SIMONE MARIA FERREIRA DOS SANTOS
        03/03/2018 às 11:32

        Rafaela, bom dia!
        Estou fazendo Mestrado e meu objeto de pesquisa é sobre SAI. Vc tem como me disponibilizar relatos que deram certo para que eu possa me situar?
        Grata.

  4. 11/02/2017 às 13:28

    Olá. Sou professora de Inglês na rede municipal de Praia Grande e comecei a usar a sala de aula invertida na metade do ano passado. O primeiro passo,é certamente informar aos pais. Faço isso através de um comunicado que envio aos pais dos alunos. Uso o meu blog – teacheralbavaleria.blogspot.com.br, para postar as vídeo-aulas de inglês que busco no youtube e passo para os alunos. A sala de aula invertida é apenas um aspecto de um projeto que realizo que inclui o uso da tecnologia na sala de aula. Os alunos realizam trabalhos no power point ou em vídeo, obviamente de acordo com o conhecimento que possuem do idioma que estão aprendendo , e enviam para a professora por e- mail ou através de rede social.

    • 13/02/2017 às 12:12

      Olá Alba, tudo bem? Que legal a sua experiência, parece estar funcionando para você! Ficamos felizes com a sua participação. Continue nos acompanhando 🙂 Até a próxima!

  5. Pingback: Introdução a Novas Tecnologias Digitais na Educação: Estudo de Caso na UniCarioca – Marketing, Comunicação e Estratégia – Renatho Siqueira

  6. Pingback: A Sala de Aula Invertida – gadgetseducacionais.redelivre.org.br

  7. Tatiana Barreto
    09/06/2017 às 01:44

    Oi Rafaela! Muito boa a sua explicação! Que outros materiais para aprofundamento do tema você indicaria? Um abraço!

    • 14/02/2018 às 17:01

      Olá Tatiana, tudo bem? Ainda está interessada nesse assunto? Podemos te ajudar com outras dicas de materiais.

      • Luciana
        09/11/2018 às 14:14

        Olá Rafaela, por favor, eu também sou professora e gostaria muito dessas dicas. Por favor, se puder, encaminhe para mim também? Meu email é lucianabarao@gmail.com
        Obrigada!!!

        • Rafaela Espíndola
          12/11/2018 às 18:30

          Oi luciana, tudo bem? Este material é único, você pode utilizá-lo e colocar a Edools como referência, ok? 🙂

  8. Magno Araújo
    27/06/2017 às 11:19

    Olá! gostei muito do seu material, estou estudando sobre essa metodologia para aplicar com meus alunos. Tenho algumas dúvidas quanto a implantação, como fazer em sala.

  9. Jussara Luiza Duarte dos Reis
    06/10/2017 às 18:50

    Olá, boa noite! Gostei muito do seu artigo e gostaria de indicações de materiais sobre a sala de aula invertida pois estou estudando o tema p meu tcc! Obrigada!

  10. Pingback: Mobile Learning, ponto de partida – Inovação Educacional

  11. Pablo
    21/12/2017 às 23:51

    Boa noite, Sou professor universitário e estou enfrentando problemas de aprendizagem da minha matéria (Biofísica), meus alunos não estão tendo o rendimento suficiente para serem aprovados com a nota mínima (8), como devo utilizar a “Sala de aula invertida”?

    • 26/03/2018 às 11:21

      Olá Pablo, tudo bem? Que tal começar incentivando o uso de atividades através do uso de computadores e smartphones em casa e depois discuti-las em sala de aula? Assim você cria uma aproximação com o que os alunos estão habituados a utilizar em seu dia a dia e facilita a aprendizagem. Me conte depois se funcionou, ok? Um abraço!

  12. Júlia Venâncio Nogueira
    10/01/2018 às 14:51

    Artigo bastante esclarecedor! Estou trabalhando para implementar a metodologia em minhas aulas. Obrigada.

  13. 31/01/2018 às 18:41

    Olá. Gostei muito dessa proposta. Vou conhecer melhor essa metodologia de ensino e propor a minha coordenadora para que possamos usá-la em algumas turmas nas aulas de Matemática. Muito interessante.
    Obrigado. Atenciosamente. Prof. João Reginaldo (Matemática)

    • 14/02/2018 às 11:09

      Olá Joao! Que ótimo, espero que sua coordenadora goste da ideia, pois ela pode acrescentar muito no ensino. Agradeço pela participação, um abraço!

  14. 10/02/2018 às 18:03

    Olá Rafaela, parabéns pelo artigo.
    Me tire uma dúvida, o material que será acessado pelo aluno nas aulas invertidas, em casa, será selecionado pelo professor em outros sites ou serão videoaulas do professor explicando um determinado conteúdo?

    • 14/02/2018 às 17:00

      Olá Elen, tudo bem? Isso fica ao seu critério. O importante é fornecer conteúdos complementares aos presenciais, independente de onde ele vier, mas claro, com filtros prévios, em casos de falta de disponibilidade para produção dos mesmos. Contudo, o ideal é que você procure uma aproximação maior com os alunos, e com isso, fazer o seu próprio conteúdo pode auxiliar no aprendizado.

  15. Pedro
    16/02/2018 às 21:37

    O Brasil ainda não está preparado para isso.

  16. Margareth
    15/03/2018 às 21:02

    Muito bacana a proposta da aula invertida! Vemos alunos cada vez mais “antenados” é tecnológicos, por isso a proposta é muito interessante e retrata a escola que devemos preparar para oficiei!

    • 26/03/2018 às 11:15

      Olá Margareth! Exatamente, este método de ensino está cada vez sendo mais aceito de forma positiva nas instituições de ensino. Obrigada pela participação e continue nos acompanhando! 😉

  17. Rafaela
    25/03/2018 às 18:42

    Olá sou professora da rede publica fiz um curso de ensino hibrido que me ajudou muito, este é o segundo ano que tenho desenvolvido atividades de sala de aula invertida, porém devido as burocracias do sistema de ensino e a precariedade dos recursos tecnológicos tento adequar sempre o aprendizado dos estudantes, sinto falta de trocar experiências pois acredito que é através delas que aprimoramos nossas práticas.

    • 26/03/2018 às 11:18

      Ei, Rafaela! Que bacana. Realmente este ainda é um grande obstáculo para a implementação em todos os sistemas de ensino do país. Mas a sua iniciativa já é um ótimo avanço, parabéns!

  18. Tamires
    05/07/2018 às 16:26

    OLÁ, professores. Sou professora e leciono em escolas públicas. Infelizmente, apesar de ser uma proposta muito boa, há alguns questionamentos que necessitam de atenção como por exemplo, escolas da periferia não usufruirão de material online visto que há uma grande dificuldade financeira de comprar computadores e tal. Outro ponto a ser ressaltado é a internet, para ter sucesso tal proposta o governo precisaria liberar internet, pois os pais que não puderem pagar para ter internet em casa como ficam? os filhos não estudariam?
    como ficariam alunos do campo que mal conseguem ter um celular?
    Outro problema que podemos ter é o SIM dos pais, pois precisam trabalhar e não teriam com quem deixar os filhos ou até mesmo muitos que acham que os filhos na escola é um alívio, que não aguentam ficar o dia todo com eles bagunçando dentro de casa (infelizmente não é exagero, pois já ouvi muito isso).
    Espero que esses pontos possam ser refletidos e um dia essa proposta amadureça para que não venha para aumentar ainda mais a desigualdade social. E que todos possam gozar da educação inversa.

  19. 24/07/2018 às 13:22

    Rafaela, estou muito interessada em implantar esta metodologia, mas tenho dúvidas sobre como avaliar os resultados no final do processo. Você teria algum material que pudesse esclarecer essa etapa do processo?

  20. 24/07/2018 às 14:57

    Olá Iracema, tudo bem? Na Plataforma Edools você pode acompanhar todo o progresso do seu aluno, como os últimos acessos, números de conteúdos visualizados, entre outros. Você pode ainda gerar relatórios para compactar esses dados e facilitar toda a sua análise. Se ainda ficar alguma dúvida, é só falar, ok?

  21. Diana Santos
    30/08/2018 às 10:00

    muito esclarecedor , adorei o tema
    parabens

  22. Elaine E.M. Profª Nadyr de Souza Andrade
    18/09/2018 às 01:28

    Achei o tema interessante, ainda não entendi como aplicar esse método de sala de aula invertida, se vamos depender da disponibilidade dos alunos ao acesso de uma plataforma digital.

    • Rafaela Espíndola
      21/09/2018 às 17:27

      Olá Elaine, tudo bem? O método não é dependente de uma plataforma EAD, mas ele pode ser muito mais aprimorado ao utilizar de um software específico.

  23. Bruno Ramirez
    28/09/2018 às 23:32

    Olá Rafaela! Gostei muito dos eu artigo e meu Mestrado Profissional em Ensino de Biologia é sobre sala de aula invertida. Você poderia me enviar algum material como artigos ou links ou relatos de casos que deram certo? Desde já agradeço e parabéns pela qualidade do material!

    • 09/10/2018 às 11:33

      Olá Bruno, tudo bem? Que bacana! Fico feliz que o artigo tenha sido útil. Todos os nossos materiais educativos se concentram aqui em nosso blog e em nossa página de materiais educativos!

  24. 06/11/2018 às 16:03

    oi boa tarde Rafaela Espíndola! gostei muito do seu artigo consigo entender coisas que antes ouvia, usava, olhava e não entendia agora ficou mias claro. obrigado!

    • Rafaela Espíndola
      12/11/2018 às 18:32

      Olá, tudo bem?? Que ótimo, fico muito feliz em poder ajudar! Continue acompanhando nosso blog para mais materiais como este! 🙂

Deixe uma resposta

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.