Um blog sobre planejamento,
gestão e otimização de cursos
e treinamentos online.

Fique por dentro de atualizações e novidades e potencialize seus resultados.

Acompanhe e faça parte!

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.

Infoprodutor: descubra quando você precisa contratar um Contador

Todo empreendedor deveria nascer com um Contador junto. E isso não poderia ser mais verdadeiro quando se trata de Brasil, país em que a legislação tributária está entre as mais complexas do mundo. Então, para responder à pergunta do título, com toda a sinceridade: o infoprodutor deveria contratar um Contador no mesmo dia em que […]

Todo empreendedor deveria nascer com um Contador junto. E isso não poderia ser mais verdadeiro quando se trata de Brasil, país em que a legislação tributária está entre as mais complexas do mundo.

Então, para responder à pergunta do título, com toda a sinceridade: o infoprodutor deveria contratar um Contador no mesmo dia em que começa a desenvolver o seu projeto digital.

É claro que não é isso o que acontece na vida real e nem seria viável em termos financeiros, principalmente para quem está começando um novo negócio.

Mas essa é uma pulguinha que precisa permanecer atrás da orelha do infoprodutor durante o tempo em que não se render aos “encantos de um escritório de Contabilidade”.

Quer saber o por quê? Então, continue com a gente neste conteúdo, pois vamos explicar as razões pelas quais o empreendedor digital precisa contratar um Contador e deve enxergar este parceiro como o seu melhor amigo ao longo de sua jornada pelos caminhos da internet!

Como surge uma ideia de negócio?

Normalmente, é assim que surge um empreendimento digital.

A pessoa entende bastante de um determinado assunto e percebe que pode transformar esse conhecimento em um infoproduto que irá chamar a atenção e ser consumido por um determinado público interessado naquele tema.

Pode ser um curso online, uma mentoria, um e-book… não importa o tipo de infoproduto!

O especialista “se debruça sobre a prancheta” e começa a planejar e desenvolver o seu produto digital, a fim de encontrar o formato que seja o melhor do ponto de vista didático, mas que também seja atrativo para as plataformas eletrônicas de divulgação.

A ideia é conquistar o maior número de alunos para que os rendimentos possam crescer.

Isso alimenta sua motivação em criar novos títulos e conteúdos, para que o empreendimento digital possa escalar financeiramente.

PF ou PJ? O primeiro ponto de virada do infoprodutor!

Até aqui, na maioria dos casos, o infoprodutor está trabalhando por conta própria, como Pessoa Física. No entanto, conforme os ganhos vão aumentando, percebe que existem certas “dificuldades inconvenientes”.

A começar pelo fato de que algumas plataformas digitais limitam os recursos mensais liberados ao infoprodutor ao teto de R$ 1.903,98, que é o limite de isenção na tabela do Imposto de Renda para a PF. O excedente acumula para o mês seguinte e assim sucessivamente.

Nas situações em que tem acesso aos valores efetivamente obtidos com as vendas (descontado o comissionamento da plataforma), o aborrecimento chega de outra forma.

O infoprodutor PF é obrigado a declarar mensalmente seus ganhos ao IR e pagar o Carnê Leão, no qual a alíquota chega a 27,5% para montantes superiores a R$ 4.664,68.

Essa situação torna-se perturbadora para o empreendedor digital quando ele se dá conta de que pagaria muito menos imposto ao formalizar o negócio como Pessoa Jurídica.

falar com um consultor

Mas dá para abrir o MEI sozinho! Por que contratar um Contador?

Sim, é verdade! É muito fácil abrir um MEI no Portal do Empreendedor.

O CNPJ está a apenas alguns cliques de distância se os requisitos iniciais forem preenchidos, como não ser sócio de outra empresa e ter no máximo um funcionário, recebendo um salário mínimo.

Mas é preciso ter em mente que, apesar da facilidade operacional de se tornar um microempreendedor individual, a abertura do MEI implica em novas responsabilidades empresariais, as quais o infoprodutor não está habituado.

É o caso da emissão de Notas Fiscais e a entrega da Declaração Anual de Faturamento MEI.

Mais do que isso, no entanto, a parceria com um Contador é importante do ponto de vista da estratégia empresarial a ser adotada, visando o crescimento da empresa.

Explicando melhor: a modalidade MEI impõe um limite anual de faturamento de R$ 81 mil.

Dessa forma, com a evolução dos negócios, são grandes as chances de o infoprodutor estourar logo esse teto e ser obrigado a migrar para ME, que permite às receitas chegarem a R$ 360 mil ao ano.

Mais do que serviços contábeis, o Contador oferece suporte estratégico e operacional

Nesse sentido, é importante que a passagem de MEI para ME seja planejada cuidadosamente, a fim de que o infoprodutor aproveite ao máximo o que as duas modalidades têm a oferecer de melhor.

O empreendedor digital deve explorar os benefícios tributários do MEI enquanto pode, e somente solicitar a migração quando o limite de faturamento estiver prestes a ser rompido.

É aí que entra o planejamento estratégico que o Contador pode oferecer, orientando seu cliente em relação ao melhor timing para realizar a migração.

Além disso, o parceiro irá administrar a burocracia relativa à mudança para microempresa (que não é pouca!) e selecionar o regime tributário mais atrativo, cuja escolha normalmente recai sobre o Simples Nacional.

A partir desse ponto, as atividades do infoprodutor ganham novo ritmo, uma vez que estão livres das limitações do MEI.

Mas, como diz o ditado, “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”.

Tornar-se uma microempresa implica em maior faturamento e no cumprimento de novas obrigações tributárias e relacionadas à gestão fiscal que, segundo a legislação, devem ser realizadas por um Contador.

Isso acontece tanto do ponto de vista operacional (a fim de cumprir a burocracia obrigatória) quanto estratégico (para que o recolhimento de impostos seja o menor possível).

Assim, ao contar com o suporte de um escritório de Contabilidade especializado em negócios digitais – como é o caso da PJ Plus, parceira da HeroSpark -, o infoprodutor tem melhores condições de dar foco total às atividades essenciais do seu empreendimento.

E, melhor ainda, pode fazer isso sem perder de vista o crescimento e o retorno financeiro que espera alcançar com o trabalho que desenvolve e a evolução do seu negócio.

Como montar um call center em 7 passos: veja aqui!
Como fazer o controle financeiro do seu negócio digital

Deixe uma resposta

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.