Um blog sobre planejamento,
gestão e otimização de cursos
e treinamentos online.

Fique por dentro de atualizações e novidades e potencialize seus resultados.

Acompanhe e faça parte!

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.

Como um treinamento corporativo pode diminuir índices de rotatividade?

A rotatividade de funcionários é hoje um dos aspectos mais conflitantes quando o assunto é a saúde organizacional. Também conhecida como turnover, a rotatividade de funcionários é quando ocorre um alto índice de entrada e saída de pessoas de uma colaboração. O índice de rotatividade irá depender da forma o qual os colaboradores são gerenciados […]

Como um treinamento corporativo pode diminuir índices de rotatividade?

A rotatividade de funcionários é hoje um dos aspectos mais conflitantes quando o assunto é a saúde organizacional. Também conhecida como turnover, a rotatividade de funcionários é quando ocorre um alto índice de entrada e saída de pessoas de uma colaboração.

O índice de rotatividade irá depender da forma o qual os colaboradores são gerenciados e motivados. Não existe um número de rotatividade adequado a ser seguido, pois cada empresa tem as suas respectivas variáveis e particularidades. O ideal é analisar esse número para ter uma situação estável do sistema.

Os fatores que levam um funcionário a pedir demissão ou a ser desligado podem variar de ausência de motivação, baixos, salários, clima organizacional, falta de reconhecimento, doenças e diversos outros.

Segundo o Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), o clima é um conjunto de percepções que o funcionário tem que vão desde a estrutura, produtos ou serviços que a empresa presta, mas, principalmente o clima e gestão dentro da companhia. Alguns profissionais acabam se comportando mais como chefes e não como líderes, ou seja, tratam suas equipes de forma ríspida, causando desconforto.

Independente do motivo, isso gera gastos muito altos para a empresa, com rescisões, multas, novos recrutamentos, novas admissões, treinamentos, entre outros.

O problema se torna realmente preocupante quando acontecem quedas na produção e, normalmente, quando a organização enfrenta este tipo de conflito, é hora de fazer uma criteriosa avaliação dos motivos que fizeram chegar a esse ponto.

Para reduzir este índice, em primeiro lugar devem ser feitas pesquisas para saber as principais causas, diagnosticando cada uma e finalmente atribuindo uma solução.

Coloque o seu email aqui para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Mas se você não sabe por onde começar, não se preocupe, estamos aqui para te ajudar. Primeiro, vamos entender

As principais causas da rotatividade

Em uma instituição corporativa saudável, podemos observar um pequeno volume de rotatividade, especialmente quando for caracterizado a partir do aumento do número de contratações frente um baixo número de desligamentos com intuito de ampliar e melhorar os resultados do negócio.

O aumento da taxa de rotatividade, ou taxa de turnover, podem apresentar uma grande ameaça à saúde da organização, refletindo em situações de insegurança para a atuação da empresa como um todo. Existem diversas causas distintas que podem ser internas e externas à empresa e podem impactar de diferentes maneiras.

Estas causas podem ser divididas em três categorias: controláveis, semi-incontroláveis e incontroláveis.

As causas controláveis são as que a empresa possui total controle e podem refletir diretamente na entrada e saída de funcionários, ou seja, na rotatividade como um todo.

Como exemplo, temos baixa remuneração; condições de trabalho; treinamento desqualificado; falta de oportunidades; problemas de relacionamento interno; gestores incompetentes; baixa valorização; entre outros aspectos.

Já as causas não controláveis, estão relacionadas com a postura e perfil dos funcionários de um modo geral. Por exemplo: baixo rendimento do colaborador; temperamento difícil, maus hábitos e insatisfação pessoais e profissionais; entre outros.

As causas incontroláveis, por sua vez, são representadas quando há fatalidades ou doenças dentro do quadro geral de colaboradores da empresa.

Já as causas externas independem da ação da empresa ou da vontade dos seus gestores ou colaboradores em geral. Como exemplo temos: o mercado de trabalho em geral (oferta e demanda de profissionais no mercado e oportunidades de emprego em geral); cenário socioeconômico quando há oportunidades de emprego disponíveis, entre outros.

Custos da rotatividade

A rotatividade existe em todas as empresas, mas se torna realmente prejudicial quando sua ocorrência é constante, pois a prática contínua gera custos mensuráveis e imensuráveis.

A rotatividade não apresenta simplesmente um grande desafio da área de recursos humanos, mas também é uma variável de extrema importância para a gestão empresarial como um todo, pois ela impacta diretamente toda a empresa com os seus resultados.

Quando falamos de custos com o índice de rotatividade, podemos dividi-los em três áreas: primários, secundários e terciários.

Os custos primários são aqueles que estão envolvidos no processo de demissão de colaboradores, bem como na substituição dos mesmos.

Por exemplo, gastos com processo seletivo de um colaborador que irá substituir um outro que foi desligado; despesas com treinamento e integração; custo de tempo em que outros funcionários que repassarão as funções ao novo colaborador, entre outros.

Os custos secundários são mais complicados de se qualificar pelo fato que envolve aspectos intangíveis e possuem características qualitativas. Esses custos representam os efeitos colaterais e instantâneos da rotatividade.

Como exemplos, podemos citar a perda de produtividade enquanto a equipe fica mais enxuta com a saída de um colaborador; interferência do desligamento frente aos demais funcionários; acúmulo de atividades, etc.

Os custos terciários, por sua vez, são aqueles que são sentidos no médio e longo prazo da empresa. São os efeitos colaterais do turnover. Os exemplos principais são os custos adicionais de investimento; público interno desmotivado; queda na qualidade de produtos ou serviços; serviços realizados por colaboradores não-capacitados, sem experiência ou em processo de ambientação.

Como diminuir índices de rotatividade

Antes de tomar qualquer decisão sobre medidas a serem tomadas para reduzir o índice de rotatividade, você deve detectar em primeiro lugar, como por exemplo: quais as dores de seus funcionários ao decidirem pedir demissão. Em seguida, você deve começar a desenvolver estratégias em cima deste problema para conseguir entender melhor qual será a solução.

Se estas dores forem por motivos emocionais, você pode estudar formas de estimular este colaborador para permanecer em sua organização para que ele saiba que possui um valor para tal.

Salários e benefícios são fatores também muito importantes, por exemplo, empresas que oferecem comissionamento por objetivos atingidos ou participações de lucro, são empresas que geralmente são requisitadas para se trabalhar, pois isso acaba motivando o colaborador a atingir metas e melhorar cada vez mais o seu desempenho. Afinal, quanto melhor for o resultado da empresa, melhor será para ele também.

Capacitar as pessoas para desempenharem novas funções faz com que o colaborador se sinta importante para a empresa, e com isso, sua autoconfiança cresce, motivando-os a fazer suas atividades dando o seu melhor.

Existem diversas maneiras de reter talentos na organização para assim diminuir o índice de rotatividade, e para lhe ajudar, listamos algumas delas para que você possa adaptá-las da melhor maneira em sua corporação:

  • Quando houver um desligamento, seja a pedido do colaborador ou demissão, procure saber qual o motivo;
  • Tenha um grupo de líderes eficiente, pois a forma em que os colaboradores são liderados, o estímulo e a valorização por parte do líder pode equilibrar o índice de rotatividade de funcionários na empresa.
  • Construa um plano de carreira para que seus colaboradores saibam até onde podem e devem chegar;
  • Pesquise e compare os salários e benefícios de outras empresas para saber se os seus estão alinhados, tenha uma proposta justa na qual o colaborador se identifique e se sinta valorizado por seu trabalho;
  • Ofereça benefícios que ajudem no desenvolvimento profissional e pessoal do seu colaborador.
  • Invista em processos de recrutamento efetivos, para que você possa garantir que estará contratando um bom candidato e ele dificilmente lhe dará motivos para ser desligado.

Treinamentos Corporativos

Manter um funcionário motivado depois de certo tempo desempenhando uma mesma função nem sempre é uma tarefa fácil. Com isso, os treinamentos corporativos surgem como uma forma de ensinar, capacitar e engajar os colaboradores que podem estar dispersos.

A falta de motivação no trabalho está ligada ao rendimento do colaborador, e isso pode gerar consequências negativas para a empresa, como o alto índice de rotatividade.

O desempenho de um indivíduo depende muitas vezes de algo que o inspire para manter um sentimento de motivação ao desempenhar tarefas rotineiras. Por isso, é fundamental procurar sempre novas maneiras de motivar uma organização e suas equipes para garantir uma boa performance de um negócio como um todo e, consequentemente, uma vantagem competitiva diante dos demais concorrentes.

Com isso, as empresas estão percebendo que através de um treinamento corporativo bem sucedido, é possível qualificar, sem muito investimento, qualquer funcionário.

Alguns treinamentos também ajudam na orientação de investimentos e gastos necessários para que a empresa mantenha o crescimento mesmo em tempos difíceis e em momentos nos quais ainda não possui clientes suficientes para se manter com lucro, por exemplo.

Um dos melhores exemplos é o treinamento online, que é também uma forma de investir no crescimento individual dos funcionários, incentivando-os a trabalhar melhor em função da empresa, tendo melhorias consideráveis em diversos outros fatores, como clima organizacional, produtividade, etc.

Isso porque as vantagens e benefícios de treinamentos corporativo via EAD estão revolucionando a forma como as empresas estimulam a aquisição de novas competências e habilidades por parte dos colaboradores.

Ao investir em um treinamento online de qualidade, com as devidas ferramentas interativas, exercícios, metas e que envolvam situações com as quais o colaborador lida normalmente em seu dia a dia, com certeza irá conseguir captar muito mais a atenção destes gerando mais motivação e consequentemente reduzindo o índice de rotatividade.

Conclusão

Lembre-se: independente do porte ou segmento de mercado de uma empresa, desenvolver habilidades e competências nos colaboradores é contribuir diretamente com seu crescimento e desenvolvimento.

Faça um planejamento, levante as necessidades da sua empresa e comece a investir em treinamento corporativo para diminuir os índices de rotatividade.

Se você precisar de alguma ajuda ou estiver com alguma dúvida sobre quais os tipos de treinamento corporativo podem diminuir índices de rotatividade, basta entrar em contato conosco ou deixar um comentário ao final desta página.

Espero que este conteúdo seja útil para você e para sua organização.

Até a próxima!

Como o Big Data pode melhorar a gestão de RH?
Cuidado com alguns deslizes!

Deixe uma resposta

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.