Um blog sobre planejamento,
gestão e otimização de cursos
e treinamentos online.

Fique por dentro de atualizações e novidades e potencialize seus resultados.

Acompanhe e faça parte!

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.

Como lidar com pessoas da Geração Y em sua empresa?

Muito se fala sobre as novas gerações, mas como elas se encaixam no ambiente de trabalho? Neste artigo explicaremos sobre a Geração Y, as características de outras gerações e como todas podem funcionar bem juntas nas empresas.

geração-y

Nascidos no final dos anos 70 até meados da década de 2000 (não existe uma limitação específica), a Geração Y é formada por jovens que cresceram com Internet, valores de sociedade e de cultura bem diferentes das gerações anteriores, nascidas entre guerras e conflitos.

São os jovens que hoje assumem cargos de liderança com menos de 30 anos, que querem ser youtubers, apostam em startups e empreendem com o dinheiro do primeiro estágio.

A Geração Y, mais conhecida como millennials, já foi acusada de inúmeras características: preguiçosos, criativos, superficiais, ansiosos e distraídos. Algumas positivas, outras nem tanto.

Conhecida como a geração que quer tudo no seu tempo e não sabe esperar. A Geração Y tem inúmeras qualidades que podem agregar a sua empresa e equipe. Afinal, por nascerem em um mundo conectado 24horas por dia, com smartphones e tecnologia ao seu alcance, esses jovens chegam ao mercado de trabalho com um a visão diferente, quando comparados àqueles de outras gerações.

A geração Y é criada por jovens abertos a mudanças, a diferenças e  pensamentos valiosos dentro de uma empresa.

Mas como administrar diferentes gerações em um mesmo ambiente de trabalho? Entenda um pouco mais desses novos funcionários e veja o que você pode aprender com eles na sua equipe.

Para auxiliar sua leitura, vamos abordar os seguintes itens no artigo:

A partir destes temas vamos desenvolver um artigo explicando melhor as características e desafios dessa geração.

Caso tenha dúvidas, basta deixar um comentário.

Boa leitura!

Contexto social

Uma geração dando lugar a novos padrões e pensamentos. Assim funciona a sociedade. Os filhos são diferentes dos pais, que são diferentes dos seus pais e assim por diante.

Às vezes, a diferença de cinco ou dez anos pode fazer o cenário mundial mudar por completo e, consequentemente, as gerações ganham novos apelidos e características.

Ao mudar o acesso à informação, a maneira de ensino nas escolas, a chegada mais rápida da globalização, o que antes era normal, hoje já é ultrapassado. São muitos os influenciadores de mudanças dessas gerações. A história a qual estavam inseridas, os fenômenos culturais, as influências culturais, as evoluções da tecnologia.

Para entender melhor este cenário, podemos pensar em um exemplo. Uma criança da década de 50 teve uma educação e uma formação ideológica completamente diferente de uma criança que vive sua infância atualmente. A primeira criança já é um adulto com um perfil de trabalho muito diferente da criança que nasce hoje e que trabalhará daqui a 20 anos.

E como isso afeta o mercado de trabalho? A hierarquia dentro do ambiente de trabalho dá lugar a cargos lineares e gerência horizontal. Novos modelos de negócios surgem a todo instante. As redes sociais e as lojas virtuais movimentam milhões sem a necessidade de uma loja física. O modelo de trabalho convencional mudou junto com a geração.

O grande ponto focal é: como se adaptar aos novos padrões da sociedade e da Geração Y equilibrando-os com profissionais de outras gerações e, ainda assim, adequar todos em uma mesma equipe?

Sobre a Geração Y

Historicamente, os perfis profissionais e de consumo são divididos em três grandes grupos: os Baby Boomers, o perfil pós II Guerra Mundial, que procurava segurança e estabilidade. A Geração X, que foram os bebês nascidos em um ambiente mais estável.

Esses puderam pensar mais nos próprios interesses e foram os precursores do termo workaholic, quando mudaram a visão que o trabalho tem horário certo para começar e acabar. E então, chegou a Geração Y.

Nascidos no final dos anos 70 até meados da década de 2000 (não existe uma limitação específica), esses jovens são os filhos da Geração X. Eles cresceram com internet, valores de sociedade e de cultura bem diferentes das gerações anteriores, nascidas entre guerras e conflitos. Sendo assim, a Geração Y, acaba se tornando mais aberta às mudanças e às diferenças.

Essa nova geração nasceu em um período de revolução tecnológica, presenciaram e acompanharam a evolução das novas tecnologias. Eles são a geração das redes sociais, dos smartphones, aplicativos, tablets e do consumo consciente.

Por sua criação em um mundo mais moderno, ágil, onde, de forma geral, não precisaram passar por traumas como Guerras e revoluções, esses jovens costumam ser incompreendidos e acusados de superficiais e até mesmo egoístas.

Entretanto, por outro lado, crescer em um mundo globalizado e cercado por tecnologias inovadoras todo o ano, fez com que a Geração Y tenha grande afinidade com mudanças, sobretudo no estilo de vida. Além disso, eles são a geração que mais se preocupa com o meio ambiente, tem fortes valores morais e estão prontos para fazer uma revolução no mundo.

Duas subgerações dentro de uma

Segundo pesquisa publicada no site Exame, o Google Brasil, através do Google BrandLab de São Paulo, descobriu que dentro da Geração Y existem duas subdivisões. Por quê? Como as gerações anteriores não sofreram com isso?

A resposta é simples: com a tecnologia a um clique em nossos smartphones, crises financeiras mundiais e as constantes mudanças culturais, o intervalo de 30 anos deu lugar a duas gerações distintas.

Ou seja, antigamente, a diferença de gerações era dada por alguma quebra como uma guerra, a chegada da tecnologia e/ou processos mundialmente impactantes. Mas, com a chegada dos smartphones, o mundo se conectou, e “pequenas rupturas” já mudam pensamentos, ideologias e gerações.

Um adulto nascido nos anos 80 não se comporta social e corporativamente da mesma maneira que um jovem adulto nascido em 1990 ou 1991, por exemplo.

Segundo o site, dois momentos e acontecimentos foram cruciais para a divisão desses grupos, o primeiro em 2007, com a popularização dos smartphones; e o segundo em 2008, com a crise financeira mundial. Afinal, quem já estava no início da vida adulta nessa época conviveu diretamente com inflação, desemprego e uma mudança de pensamento mais pessimista sobre a sociedade.

Assim, surgem dois grandes grupos: aqueles que hoje têm entre 18 e 24 anos, também chamado de young millennials; e aqueles que hoje têm entre 25 e 34 anos, os old millennials.

Segundo a reportagem, “Os Old Millennials foram crianças e adolescentes nos anos 90 e não cresceram com acesso à internet e smartphones e viveram boa parte da vida sem internet. Hoje, suas maiores preocupações e objetivos são coisas como mudar ou conseguir um emprego, viajar ao exterior, comprar uma casa ou apartamento e começar ou voltar a estudar.”

Já os Young Millennials tiveram uma infância e adolescência nos anos 2000. Já nasceram em um mundo conectado à internet como smartphones e redes sociais. Tendem a ser mais realistas, questionadores e conscientes quando o assunto é finanças. Adoram a filosofia “You Only Live Once/Só Se Vive Uma Vez”. Tendem a ter menos paciência com “perda de tempo”, como anúncios e comerciais. E menos da metade têm o diploma universitário como maior sonho, segundo pesquisa do Google Brasil.

Mas então, o que as duas gerações têm em comum para serem classificadas como geração Y? Afinal, são todos millennials da década de 70 aos anos 2000. Segundo a análise do Google, “a vida com acesso à informação 24 horas por dia é o ponto comum”.

Os dois momentos da geração Y buscam no acesso à cultura a sua principal fonte de educação, inspiração e entretenimento. Ou seja, a tecnologia e a informação permeiam a mente desses jovens que chegam ao mercado de trabalho com inovação, garra e vontade de fazer diferente.

As dificuldades da Geração Y

Mesmo sendo jovens sonhadores, ágeis, inteligentes e corajosos para arriscar, esses profissionais também sofrem com outras questões modernas. Eles são filhos da Geração X e netos da Geração dos Baby Boomers. Seus pais foram criados com a obsessão por estabilidade econômica e seus avós vieram do pós-Guerra, época em que perderam tudo e por isso, ensinavam aos seus filhos a ter, possuir bens.

Os adultos da Geração X acreditam que para ser alguém na vida é necessário construir uma carreira segura e estável.

E a Geração Y como pensa?

Apesar de terem tido uma educação mais tranquila que a dos seus pais, podendo sonhar mais alto em relação à escolha de suas carreiras, os jovens da Geração Y são muito cobrados, mesmo sendo mais flexíveis, as cobranças dos pais em cima desses jovens continua sendo intensa, como eram de seus avós em seus pais.

Um estudo feito em 2015 pela SulAmérica Saúde, mostrou que de todas as gerações, a Geração Y é a que mais sofre com ansiedade.

Por terem crescido em um mundo tecnológico, aonde o imediatismo é a base para tudo e todos estão sempre com pressa, esses jovens querem tudo para ontem. Respostas rápidas, resoluções mais rápidas ainda e, quando não conseguem o que querem na hora que querem, ficam nervosos e impacientes.

A impaciência desses jovens, diferentemente de seus pais da Geração X, acaba sendo um dos maiores obstáculo para eles na procura por uma colocação no mercado de trabalho.

A Geração Y no ambiente de trabalho

Com seu crescimento em meio à rapidez de informação e o imediatismo na busca de respostas, os jovens da Geração Y dão o que falar no mundo corporativo.

Com um comportamento considerado “impróprio” pelas gerações anteriores, que normalmente são pessoas que ocupam cargos de gerência e diretoria nas empresas, esses jovens estão chegando com o “pé na porta”, ocupando cargos importantes em pouco tempo de empresa.

Muitos jovens são os grandes empreendedores do momento e, com isso, estão fazendo uma revolução no mercado de trabalho.

Aficionados por tecnologia e multitarefas

Da mesma maneira que os produtos tecnológicos criados ao longo de suas vidas, os jovens da Geração Y são capazes de realizar múltiplas funções.

Ao mesmo tempo em que falam ao telefone, também acessam a internet, escutam música, se comunicam com os amigos, tiram fotos, fazem vídeos e pedem pizza. Tudo isso com o mesmo aparelho, um smartphone que facilita a execução de todas essas atividades em qualquer lugar que eles estiverem.

Com grande habilidade multitarefa, esses jovens se tornam valiosos para uma empresa. Afinal, possuem a facilidade de dividir sua atenção em diversas funções ao mesmo tempo, além da facilidade com a tecnologia.

Estes profissionais estão sempre buscando informações novas, atualizadas e estão continuamente procurando soluções ágeis e fáceis para os obstáculos que encontram. Eles não possuem barreiras perante as tecnologias como as gerações anteriores.

Engajados quando acreditam na empresa

Muitos especialistas afirmam que esses jovens são muito importantes para o quadro de funcionários. Afinal, eles costumam vestir a camisa da empresa e se comprometem naquilo que acreditam.

Mas esse comprometimento pode durar pouco tempo se eles acharem que estão sendo subestimados ou desacreditados. A geração Y gosta de reciprocidade quando o assunto é engajamento e respeito.

Por ser uma geração com uma facilidade de fazer buscas na internet, ela conseguem aprender os valores das empresas em que estão inseridos. Então, se acreditam em tudo o que ela prega, esses profissionais vão se empenhar para trabalhar de corpo e alma, além de se sentirem realizados no cumprimento de metas e alcance de objetivos. Também transformam o ambiente e o deixam muito mais leve e costumam ser muito fiéis.

Comunicativos e líderes natos

Esses jovens são comunicativos, então uma boa dica para as empresas é fazer com que a diretoria e a gerência estejam sempre disponíveis. Aproximar a todos da equipe, com uma comunicação direta e simples, além de criar espaços para trocas de experiências e ideias são opções perfeitas para lidar com a Geração Y.

Use as novas tecnologias a seu favor, procurando se comunicar também por elas. Sejam elas mensagens de texto, chats corporativos, além dos e-mails e redes sociais.

Além disso, muitos desses jovens profissionais já estão ocupando cargos de chefia em diversas empresas, o que constata sua facilidade e capacidade de liderança. A Geração Y também está revolucionando a estrutura arquitetônica das empresas.

Um bom filme que podemos usar como exemplo é o longa americano “Os Estagiários”. Nele, dois homens na casa dos 40 são demitidos e começam a procurar por um novo trabalho. Apesar de não saberem nada de tecnologia, eles são contratados como estagiários no Google, local em que convivem com chefes vinte anos mais novos do que eles.

O filme consegue dar uma visão muito clara de como a geração Y está revolucionando o mercado de trabalho. Boa dica para entender um pouco o cenário mundial da geração Y.

Desde entrevistas via Skype, até uma empresa sem baias, salas fixas e áreas de lazer para que os profissionais se sintam felizes no seu ambiente de trabalho. Essas são mudanças simples e importantes para a Geração Y. Para esses jovens, o bem-estar é crucial e faz parte de um bom cotidiano corporativo.

Como equilibrar diversas gerações em uma empresa

Apesar de fazerem uma revolução no mercado de trabalho, encontrar esses jovens da Geração Y pode acabar se tornando mais difícil com o tempo.

Por seu imediatismo e agilidade, muitos desses jovens são potenciais empreendedores e saem de empregos estáveis para se arriscarem em seus próprios negócios. As startups, por exemplo, são os melhores exemplos dessa revolução empreendedora.

Muitas vezes, em uma única equipe temos funcionários das três gerações: Baby Boomers, Geração X e Geração Y. Como fazer com que o imediatismo da Geração Y se entenda com o consevadorismo dos Baby Boomers? Como explicar para os mais jovens que os mais velhos possuem um timing diferente dos dele. A Geração Y tende a ser egoísta quando o assunto é esperar e entender o tempo dos outros.

Sendo assim, é importante que a empresa promova momentos de aprendizado entre a equipe. Cursos online, treinamentos corporativos, vídeo aulas e até mesmo troca de experiências e cases entre eles são maneiras de fazer com que as gerações entendam o que de bom podem aprender com as outras.

Esses jovens profissionais têm pressa de subir de cargo e, às vezes, não veem perspectiva no ambiente em que estão.

Por isso, correm atrás de seus sonhos para alcançar cargos e salários que acreditam ser melhores. Para manter essa Geração Y no seu quadro de funcionário é muito importante motivá-los para que se sintam essenciais.

Aproveite a proatividade, dinamismo e energia da Geração Y com a experiência de vida da geração dos Baby Boomers. Mostre que ideias inovadoras se encaixam na Geração X, assim como os jovens podem aprender a se portar e a se comunicar melhor com outros funcionários da empresa respeitando os cargos hierárquicos.

A Geração Y está aí para revolucionar a sua empresa e gerar cada vez mais lucro e visibilidade. Eles sabem investir em tecnologia e estão sempre dispostos a cruzar barreiras e ultrapassar desafios com soluções práticas. Essas qualidades podem incentivar outros funcionários, despertando a curiosidade por aprender novas técnicas e trabalho em equipe.

Assim como a Geração Y precisa se adaptar ao ambiente em que estão inseridos, as empresas também precisam evoluir e se adaptar a esses jovens. Um ambiente mais agradável, horários flexíveis, o fim das mesas fixas, incentiva mais e mais esses jovens que não gostam de mesmice e estão sempre mudando, junto com o mundo e as tecnologias que cresceram com eles.

Com sua mentalidade mais avançada, a Geração Y é formada por jovens que vão gerar cada vez mais lucros para as empresas. Tenha isso em mente e perceba como é importante unir diferentes gerações para que haja troca de experiências e ensinamentos.

Veja abaixo este video que fala um pouco mais sobre as gerações que falamos aqui:

Esperamos ter ajudado e, para mais dicas sobre mercado de trabalho e setor de RH, assine nossa Newsletter.

Coloque o seu email aqui para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Até a próxima!

Como ganhar dinheiro no YouTube: o guia completo
Testes psicológicos: exemplos e sua importância para as organizações

Deixe uma resposta

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.