Um blog sobre planejamento,
gestão e otimização de cursos
e treinamentos online.

Fique por dentro de atualizações e novidades e potencialize seus resultados.

Acompanhe e faça parte!

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.

7 dicas práticas sobre como motivar uma equipe

Saiba como motivar sua equipe com nossas dicas e entenda qual a importância do papel de líder nessa questão.

como-motivar-uma-equipe

Na hora de montar uma empresa, muito se pensa em relação aos concorrentes, estrutura hierárquica, focos de ação e quais são as metas e objetivos a longo prazo.

O que a maioria dos empreendedores não leva em conta é a importância de manter as equipes motivadas; as pessoas formam a base de todas as companhias e se ela fraquejar, tudo cai.

Por isso, é tão importante pensarmos em dicas práticas sobre como motivar uma equipe.

Que tal pegar papel e caneta e ler com calma todas as nossas dicas e anotar para ajudar o seu negócio a prosperar com uma equipe motivada e um crescimento esperado?

No texto a seguir, separamos alguns pontos que devem ser levados em consideração. Confira:

Boa leitura!

A motivação no cenário corporativo

A empresa não ter bons resultados porque seus funcionários parecem infelizes e insatisfeitos com o trabalho é, definitivamente, um cenário trágico. Porém, pode ser mais comum do que o que pensamos.

Esse cenário é bastante visto em situações de crise, quando a alta pressão e baixa motivação faz com que os colaboradores peçam demissão e a companhia se vê em uma posição muito delicada.

Para evitar que isso aconteça, a empresa precisa manter práticas constantes para motivar seus subordinados.

Vamos destrinchar mais a motivação no ambiente de trabalho e entender melhor ao longo deste artigo.

Teoria da hierarquia das necessidades

Também conhecida como a “teoria de Maslow”, por ter sido proposta pelo psicólogo americano, a teoria da hierarquia das necessidades é uma das mais importantes e mencionadas quando o assunto é motivação.

De acordo com ela, as necessidades dos seres humanos obedecem uma hierarquia:

  • fisiológicas: como respirar, comer, dormir;
  • segurança;
  • sociais: engloba manter boas relações interpessoais;
  • estima: se sentir reconhecido e respeitado por outras pessoas, mas também envolve a autoestima;
  • auto-realização: evocam o desejo de crescimento e aproveitar o potencial.

Quando um indivíduo conseguir suprir uma necessidade (nem que seja parcialmente), sua atenção é voltada para o passo seguinte. Isso continua até que todas as etapas serem atingidas e a última (auto-realização) não tem fim, se auto alimentando: quanto mais ela cresce, maior fica a sua vontade de continuar atingindo novos patamares.

Até pouco tempo atrás, era a necessidade de segurança que movia a maioria dos trabalhadores. Ou seja, o desejo de ter um emprego fixo, com um salário todo fim de mês e uma rotina que transmitia estabilidade.

Hoje em dia, esse cenário mudou e os gestores precisam entender que não tem como motivar uma equipe sem antes atender as suas necessidades mais básicas.

Questões como equipamentos próprios para aquela tarefa, ambiente seguro, higiene adequada e um mínimo de conforto já não são mais vistos como benefícios. Pelo contrário: são considerados fatores básicos pelo trabalhador e devem ser considerados o ponto de partida da motivação. Os estímulos para manter a equipe focada devem ultrapassar esses fatores básicos.

Lembre-se: se você quer que sua equipe vá além do esperado e atinja as metas da empresa você precisa entregar ferramentas para que seus colaboradores se sintam assim. Convivência e bons resultados dentro da empresa devem ser sempre vias de mão dupla.

7 dicas práticas sobre como motivar uma equipe

1. Evite a auto sabotagem

O primeiro impulso de muitos gestores é punir a equipe por estar desmotivada. Isso é dar um tiro no pé: seus funcionários só vão ficar mais insatisfeitos e começará um ciclo vicioso sem vitoriosos.

Com o passar do tempo, a equipe vai se desfazer e o problema não será resolvido com a entrada de novas pessoas na empresa.

A cultura do “bode expiatório” deve ser evitada a todo o custo, ou seja, colocar a culpa em uma pessoa ou na equipe inteira. Um bom líder assume quando ele é o errado ou entende que em algumas situações não há culpados. E, se necessário, entra para a parte operacional ajudando ele mesmo a resolver a questão.

2. Esteja presente e conheça a equipe

Equipes que não se sentem conectadas com os seus gestores não entregam bons resultados. Um chefe que não interage com seus subordinados, não percebe os sinais de desmotivação e só vê as consequências em situações extremas, quando os resultados caem muito ou os prazos não são atendidos, dificilmente serão reconhecidos e elogiados pela equipe.

Por isso é crucial para a motivação da staff ter um líder presente e comunicativo. O básico é essencial: cumprimentar seus funcionários e saber o nome deles, mas é preciso ir além. Faça reuniões semanais para entender como estão os projetos e aproveite esse momento para ouvir os colaboradores.

Quais são suas dúvidas? Algo está atrapalhando? Tem algo no modus operandis da empresa que pode ser modificado para impulsionar os resultados ou agilizar os processos?

Estar presente no cotidiano do time e ouvir com atenção suas maiores dores e questionamentos faz com que os funcionários sintam que são importantes e isso os motiva.

3. Dê feedbacks constantes

Além das conversas com a equipe, é preciso manter uma prática recorrente de sentar com cada uma dos subordinados e dar um feedback. Algumas empresas têm em suas culturas o hábito de ter essa conversa uma vez por mês, mas varia em cada organização.

No entanto, esse prazo não pode se estender por mais de um ano – depois desse tempo, o funcionário entende que seu esforço não foi reconhecido e pode se sentir desmotivado.

Existem alguns fatores que tornam o feedback uma prática positiva. O primeiro é o planejamento: marque um dia e horário com antecedência, escolhendo um lugar mais reservado dentro do escritório.

Leve um roteiro com os pontos que precisam ser abordados, mas faça a conversa fluir de modo natural. Pergunte sobre o que o funcionário acha sobre seus próprios avanços e ouça mais do que fale.

Outra questão que deve ser levada em consideração é o uso das palavras. Dê preferência por aquelas que possuem uma conotação mais positiva, que não coloquem o funcionário em uma posição de defesa ou que não o faça se sentir julgado.

É preciso também evitar a palavra “mas”, que pode invalidar a sentença dita anteriormente; troque-a por “e”. Por exemplo: em vez de dizer “você entrega bons resultados, mas precisa melhorar”, diga “você entrega bons resultados e eu sei que pode melhorar”.

4. Potencialize os talentos internos

Um dos maiores erros que as empresas pode cometer é entender cursos de especialização ou workshops como gastos de dinheiro. Treinamentos em geral são muito importantes, pois atualizam as habilidades dos colaboradores, o que retorna para a companhia em forma de resultados mais expressivos e um trabalho mais fluido e especializado.

Quando o colaborador vê que a companhia investe no seu aprendizado, ele vai se sentir mais motivado para continuar ali e aplicar o conhecimento adquirido no seu próprio trabalho.

Por isso, é importante manter um Programa de Desenvolvimento Interno bem estruturado, com processos bem definidos analisando os critérios necessários para determinado curso ser aprovado. Esse benefício deve ser aplicado para toda a empresa, não só para os cargos mais altos. Dessa forma, todos se tornam mais capacitados e a organização só tem a ganhar.

5. Valorize as iniciativas dos colaboradores

Bons trabalhos devem ser reconhecidos, por isso é muito bom que a companhia tenha premiações internas para recompensar boas iniciativas que partiram dos próprios funcionários.

Também podem entrar na “competição” cases de sucesso, sejam eles de dentro do escritório ou feitos para clientes externos.

Da mesma forma que o Programa de Desenvolvimento Interno mencionado no tópico acima, essa iniciativa de valorização deve ser bem-estruturada.

Estabeleça uma periodicidade para que ela aconteça – uma sugestão é que seja um evento trimestral, para dar tempo dos projetos serem implementados com calma e trazerem resultados consideráveis.

Crie um manual com as regras e quais serão os critérios levados em conta e por quem eles serão avaliados.

Uma excelente forma de engajar o escritório inteiro é envolvê-los na hora da decisão. O público interno pode ser, por exemplo, responsável por votar entre os casos apresentados e os melhores serem levados para um júri composto por coordenadores e gerentes.

Para completar a experiência, faça uma pequena cerimônia de premiação. Não precisa ser algo grandioso, pode ser algo mais simbólica. O objetivo dessa ação é reconhecer os talentos que a empresa tem e manter a equipe motivada para sempre buscar resultados extraordinários.

6. Defina metas claras

Quando foi parar no País das Maravilhas, Alice pergunta ao Gato Cheshire qual caminho deveria tomar, mas não sabia para onde ir. A resposta do gato é uma lição muito importante que as empresas devem ter em mente: “Se você não sabe para onde ir, qualquer caminho serve”.

Podemos aplicar esse ensinamento para o ambiente de trabalho ao entender que, sem metas, a equipe não sabe no que deve concentrar seus esforços. No meio do caos, se tornam desmotivados.

Então, é preciso estabelecer metas claras, podendo ser individuais ou coletivas. Na hora de pensar nos objetivos, é bom ter em mente a ferramenta SMART, um acrônimo que em português significa:

  • S (Específica): Tem escopo delimitado;
  • M (Mensurável): É possível medir se o objetivo foi alcançado ou não;
  • A (Alcançável): É possível de se realizar;
  • R (Relevante): A meta faz sentido para a empresa naquele momento e conversa com a missão da companhia;
  • T (Temporal): Tem um período pré-definido para começar e terminar.

Além de serem extremamente importante para a empresa como um todo – afinal, se as metas não forem batidos, o negócio não funcionará por muito tempo -, as metas ajudam a motivar os funcionários.

Eles passam a entender qual é o seu papel dentro da companhia e o que eles devem fazer para colaborar com o bom andamento das coisas.

Sempre que possível, mas sem exageros, lembre o time qual a meta deve ser alcançada e faça updates semanais da situação: o que já foi feito, o que ainda falta fazer e quais são as ações a serem tomadas para cruzar a “linha de chegada”.

7. Celebre as vitórias

Celebrar as conquistas não significa dar grandes festas mensais, e sim recompensar a equipe pelos seus grandes feitos: se os resultados ultrapassaram em muito as metas, se a empresa ganhou algum certificado, ou se algum grande cliente renovou o contrato.

Elogios não custam dinheiro e fazem muito bem a moral do time – lembrando que eles precisam ser sinceros e feitos no momento certo para serem levados à sério.

A celebração pode ser usada como moeda de troca para dar um “empurrãozinho” na motivação. Se a equipe tem uma meta ambiciosa para bater, o gestor pode oferecer um almoço para todos caso o resultado seja alcançado. Isso aumenta o estímulo que o funcionário tem, e também melhora a integração da equipe, que passa a trabalhar mais sincronizada.

Dica extra: o papel da liderança na motivação de equipe

Sem um bom líder, dificilmente a equipe ficará motivada por muito tempo. É inegável a importância e influência que um bom gestor exerce no seu time. Ele é peça fundamental para agregar as pessoas e mantê-las motivadas.

A maioria das dicas acima exige a presença de uma figura de liderança, que vai conduzir a sua staff pelos bons e maus momentos; por isso, deve ser uma pessoa confiável, cordial e que esteja aberta a novas ideias.

Um bom líder guia pelo seu exemplo e o modo como ele trata seus funcionários influencia no modo como a equipe se integra. Então é preciso atenção redobrada e evitar fazer falsas promessas para não frustrar o colaborador a ponto dele pedir demissão.

Manter uma equipe motivada deve ser uma das prioridades dos gestores, pois é essa mão de obra que impulsiona os resultados da empresa. Sem o valor humano, não há trabalho sendo feito e o retorno não vem.


As dicas devem ser colocadas em prática não só em momentos de crise, devendo permear o dia a dia da companhia.

Para saber mais sobre como melhorar o seu ambiente de trabalho e ter uma equipe mais fortalecida, acompanhe nossos artigos e inscreva-se na nossa newsletter.

Coloque o seu email aqui para receber gratuitamente as atualizações do blog!


Gestão organizacional na prática: tudo o que você precisa saber
Como criar um site de vendas e cursos online

Deixe uma resposta

Seu e-mail está seguro. Vamos enviar apenas dicas relevantes para o seu EAD.